A leitora de certificado digital é um dispositivo inseparável do advogado que possui o certificado digital do tipo A3. Esse certificado pode ser salvo em um smart card, mídia que se assemelha a um cartão de banco. Sem a leitora, não há como assinar qualquer petição ou outro documento com a certificação. Portanto, o dispositivo é indispensável para acessar as informações do certificado salvas no chip embutido no plástico do cartão e enviá-las para o computador.

O uso da leitora de certificado digital não é necessário quando o certificado é do tipo A1. Essa certificação dispensa a utilização da leitora porque todas as suas informações podem ser salvas no computador do advogado. Ou seja, cada vez que precisar do certificado para realizar uma assinatura, o advogado precisa estar próximo ao computador. Assim, caso o certificado esteja salvo somente no computador do escritório, ele precisará estar no local de trabalho para proceder a assinatura. Por outro lado, o certificado pode estar salvo no notebook, o que obriga o advogado a levar o computador para onde for para ter como assinar algum documento.

Logo, há uma dependência do advogado, tanto da leitora de cartão quanto de algum modelo de computador. Especialmente nos momentos em que precisa usar o certificado digital. A menos que ele disponha de um serviço de proteção do certificado em ambiente online e seguro, é impedido de dar sequência ao trabalho e enviar uma petição por não poder assiná-la se está ausente do escritório, esqueceu a leitora do cartão ou o computador.

Os advogados que já passaram pela situação relatada acima sabem a frustração que é ter de lidar com ela. No entanto, há uma solução. As próximas linhas serão só sobre ela. 😉

A leitora de certificado digital faz falta para o advogado?

A leitora do certificado digital faz falta para o advogado somente se ele utiliza o certificado A3. Caso contrário, o uso de soluções como o Cofre Virtual atendem mais do que a necessidade do advogado. Dão a ele liberdade para assinar os documentos de qualquer lugar, quando precisar.

É porque o Cofre Virtual é uma solução online. Por isso, pode ser acessado remotamente, diferentemente de quando o certificado está salvo apenas no computador.

Uma vez salvo no Cofre Virtual, o certificado A1 permanece protegido na nuvem. Tudo o que o advogado precisa fazer é acessar a conta, por meio do site, informar o CPF e a senha cadastrada para poder ter acesso ao certificado.

Mesmo que o advogado esteja em viagem, sem o seu computador, ele consegue assinar a petição, o contrato, etc.. Pois toda vez que acessar o Cofre, o download do Gerenciador de Certificados do Cofre Virtual estará disponível.

O Gerenciador é o mecanismo que facilita as assinaturas com o certificado digital a partir do Cofre Virtual. Ele pode ser instalado em quantos computadores o advogado desejar. Tudo o que ele precisa é se lembrar do passo a passo para a instalação. E também recordar as senhas do Cofre e de Autorização (PIN), cadastradas no momento da aquisição do certificado digital.

Não há um número máximo de computadores em que o Gerenciador do Cofre Virtual possa ser instalado. Apenas um cuidado torna-se necessário. Garantir que o computador em que se está fazendo a instalação é seguro. Por mais que haja senhas e criptografia para proteger as informações, pouco se recomenda que o gerenciador seja instalado para uso do certificado em computadores de uso comum. Em lan houses ou locais que oferecem o serviço de impressão de documentos é bom evitar instalar o gerenciador. Ou se lembrar de desinstalar depois. As senhas também precisam ser protegidas.

Orientações para usar a certificação sem a leitora do certificado digital

Contudo, mediante o esquecimento das senhas necessárias para a instalação do Gerenciador de Certificados e a assinatura dos documentos com o certificado digital, o advogado não consegue fazer qualquer assinatura.

Primeiro porque se a senha esquecida for a de acesso do Cofre Virtual, não há como realizar a instalação do Gerenciador. Segundo porque caso a senha esquecida seja o PIN, não há como assinar os documentos.

Quando for esse o caso, não significa que o advogado estará sem ter como dar continuidade ao seu trabalho. Ele apenas levará um tempo maior para realizá-lo porque terá que redefinir a senha da qual não se lembra.

Dessa forma, para refazer a senha de acesso ao Cofre Virtual, ele terá de recorrer ao link Esqueci minha senha. É a única forma de criar uma nova senha.

No outro caso, de ser o PIN a senha que o advogado não recorda, a ação seguinte é acessar o Cofre Virtual e no Menu Autenticação, optar por Alterar a senha de autorização (PIN). Para isso, o advogado terá de se lembrar da senha de recuperação (PUK). O esquecimento dessa senha inviabiliza o processo e a única alternativa do advogado, caso isso ocorra, é adquirir um novo certificado.

Enfim, usar o Cofre Virtual para o certificado A1 pode ser a solução que o advogado precisa para não ter de carregar smart card e leitora de cartão por aí. Saiba como usar o Cofre Virtual neste outro conteúdo, com vídeos, que preparamos para facilitar a rotina dos advogados e que também fala sobre a assinatura com certificado digital.