Poder salvar na nuvem o certificado digital é mais uma alternativa que a tecnologia descortinou para proteger a identidade virtual de forma segura. Assim, não é mais preciso imaginar como seria se não fosse mais necessário autenticar a assinatura em um cartório. Essa realidade já existe!

É quase possível “aposentar” as canetas. Porque, com certeza, era sempre assim. Levava-se um tempo para localizar uma para assinar os documentos. Salvar na nuvem o certificado digital não requer mais um estoque de caneta. Nem faz com que seja necessário levar por aí as mídias de armazenamento do certificado digital. Entre as mais conhecidas estão o token e o smart card com leitora de cartão.

Quer saber como isso é possível? Devido ao cloud computing ou à computação na nuvem. Não é nada que não seja já conhecido. Mesmo que tenha usado o Google Drive ou o Drop Box ou o iCloud uma única vez, você já sabe do que se trata a computação na nuvem. Além disso, sabe muito bem como usá-la.

O certificado digital protegido na nuvem segue esses mesmos conceitos e princípios. Ou seja, mais do que servir de backup, essa tecnologia facilita para que o certificado digital possa ser facilmente acessado de qualquer lugar, sempre que necessário. O único impeditivo para que essa facilidade possa ser usada é o acaso de não haver conexão com a internet no local em que o advogado estiver. Caso contrário, o profissional do Direito pode trabalhar tranquilamente de casa, de outra cidade ou de outro país que poderá realizar a assinatura dos documentos tranquilamente.

Para entender melhor essa “coisa” de salvar na nuvem o certificado digital, vamos partir de algumas curiosidades que ajudarão a facilitar sua compreensão.

4 curiosidades sobre salvar na nuvem o certificado digital

1. Todo certificado pode ser salvo na nuvem?

Tecnicamente, sim. Há soluções no mercado que protegem tanto o certificado digital A1 quanto o certificado digital A3 na nuvem. A diferença entre ambos é, principalmente, a validade. O certificado A1 pode ser usado por um anos. Depois, precisa ser renovado. Já o certificado do tipo A3 é válido por até três anos. Após esse período,só permite que documentos importantes sejam assinados com ele depois de ser renovado.

2. Existe risco de não ser possível acessar o certificado digital?

Esse risco, como já dito, só existe se não houver conexão com a internet no local em que o advogado estiver. Também, no caso de não ter nenhum computador para acessar a internet e, consequentemente, o certificado digital. Fora isso, o certificado digital pode ser acessado facilmente quando salvo na nuvem. Inclusive, qualquer tipo de navegador pode ser usado para isso, sem qualquer restrição.

3. Com o certificado salvo na nuvem, como fica a senha?

Essa é uma preocupação muito válida. Especialmente em tempos em que dados importantes como senhas são salvos automaticamente por navegadores como o Google Chrome. Portanto, o mais importante de tudo, é negar quando o navegador pedir se você quer salvar a senha. Mas, mesmo que a senha fique salva, o risco de alguém usar o certificado digital indevidamente é pequeno.

Toda certificação é protegida por uma dupla de senhas, conhecidas como PIN e PUK. A senha PIN é a principal, pois, é a senha solicitada em cada trâmite do processo eletrônico que exige o certificado digital. E sempre que é preciso recuperar a senha PIN, é necessário informar a senha PUK, que é a senha de recuperação. Sem essa senha, não é possível nem redefinir uma nova PIN.

4. Há algum tipo de exigência quanto ao sistema operacional?

Não, nenhuma. Por isso, salvar na nuvem o certificado digital também é uma forma de garantir a flexibilidade na maneira de o advogado trabalhar. Ele não fica restrito ao uso de um só sistema operacional por ser o único com o qual o certificado digital é compatível. Realidade muito frequente com que os advogados têm de lidar quando usam tokens, por exemplo.

Salvar na nuvem o certificado digital libera o advogado para usar o sistema operacional dê sua preferência, já que se pode usar qualquer tipo de navegador para acessá-lo. Inclusive o Safari, navegador nativo do MacBook.

Enfim, com essas quatro curiosidades já é possível entender claramente se é seguro salvar na nuvem o certificado digital. De fato, é um avanço que a tecnologia oferece aos profissionais do Direito interessados em ganhar tempo, economizar recursos e ser mais sustentáveis. Afinal, com o certificado digital protegido em ambiente online, não há porque desperdiçar tempo indo até um cartório para autenticar assinatura. Também não há razão para gastar desnecessariamente com papel e insumos para impressora. Muito menos há motivos para não se preocupar com a preservação do meio ambiente, que tem maior chance de se manter preservado quando menos papel é consumido e menos carros circulam nas ruas.

Faltou apresentar só uma coisa: uma solução capaz de preservar o certificado digital na nuvem. Você já ouviu falar no Cofre Virtual? Talvez, devesse conhecê-lo e ver como sua advocacia se tornará mais versátil com ele. Então, vamos lá! Faça o download do eBbook Passo a passo para o seu certificado digital na nuvem e conheça essa solução que vai tornar o seu dia a dia mais ágil.