A advocacia é uma das profissões que mais limitações impõe à publicidade e, consequentemente, à divulgação dos escritórios de advocacia. Mas, mesmo com estas restrições, é possível captar clientes na advocacia, desde que sejam utilizadas as técnicas certas e nenhuma delas fira a ética advocatícia. Sem perder tempo, vamos apresentá-las. Assim, será possível colocar as dicas em prática o quanto antes.

3 meios de captar clientes na advocacia

Logo será possível dispor de todas as técnicas essenciais para captar clientes na advocacia. Anteriormente a esse passo, precisamos relembrar o que faz da advocacia uma profissão diferenciada. É possível começar citando a formação acadêmica. Advogados estudam por cinco anos, em média. Isto apenas para completar a graduação. Nesse tempo, adquirem o conhecimento jurídico para começar. No entanto, ainda precisam estudar, mesmo que autonomamente, para entender melhor algumas leis e questões de jurisprudência referente a um determinado processo. Parte desse conhecimento é adquirido com a prática, que faz com que o advogado ganhe experiência. Todos esses elementos juntos – formação acadêmica, conhecimento jurídico, prática e experiência -, fazem com que o advogado (ao menos os dedicados) possa oferecer um serviço de boa qualidade. E é isso o que os clientes precisam ver. Quer saber como? Vamos para a primeira dica. 😉

1. Materiais de divulgação

Existe um jargão que diz que “a primeira impressão é a que fica”. E é a mais pura verdade. Pessoas que não conhecem um escritório de advocacia e buscam um por conta própria, sem recomendação, tendem a optar por aquele que passa maior confiança. E essa percepção não surge a partir do momento em que ela conhece um advogado do escritório. E sim a partir da visita ao site, de um cartão de visita que recebeu em alguma ocasião e, possivelmente, de algum folder de apresentação com que teve contato. Portanto, investir, quando possível, em materiais de divulgação que demonstram elegância, bom gosto e seriedade, é um meio de estimular as pessoas a tornarem-se clientes do escritório de advocacia.Algumas orientações que podem ajudar a elaborar materiais capazes de traduzir os valores descritos anteriormente são:

  • escolher com sobriedade as cores. Vários escritórios optam por utilizar cores austeras e pouco chamativas no layout dos materiais que usam para divulgação;
  • ter objetividade nas informações. Por exemplo, no cartão de visitas, não é preciso incluir mais do que o nome, o número do registro como advogado na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a área de atuação;
  • possuir o suporte de bons profissionais para a criação de cada um dos materiais.

2. Presença digital

O cartão de visitas e o site é o mínimo que o escritório de advocacia deve ter pronto para poder trabalhar a divulgação. Porém, pode ser que faltem recursos para investir nesses recursos. Uma alternativa gratuita é contar com o alcance das redes sociais. Caso o escritório não consiga estruturar o site, as páginas corporativas no Facebook, LinkedIn e Instagram podem cumprir esse papel. Assim, o advogado só precisa preocupar-se em desenvolver um cartão de visitas adequado.

O Facebook é um bom começo, porque permite fazer uma descrição mais extensa sobre o escritório e incluir a relação de serviços prestados. Contudo, para conexões profissionais, o LinkedIn é o mais recomendado. Nele, é possível compartilhar até artigos. Entretanto, essa funcionalidade só está disponível para pessoas físicas. Por isso, o perfil criado teria de ser de algum advogado que sirva como uma espécie de oumbsdman do escritório. Já a vantagem do Instagram é a facilidade de comunicação, principalmente depois de ter sido lançado o IG TV.

3. Ser visto para ser lembrado

Independentemente de ter todos os materiais e redes sociais prontas, o advogado precisa estar “no lugar certo, na hora certa” para fortalecer o networking. Isso pode ser feito de três formas:

  1. participar de eventos em que o público seja do seu interesse;
  2. palestrar em eventos frequentados pelo público que o interessa;
  3. organizar os próprios eventos, para o público que é do seu interesse.

Para isso, o escritório precisa ter muito bem definida(s) a(s) área(s) do Direito em que deseja atuar. É até possível querer atender a todas. Ainda assim, é preciso ter o mínimo de organização para não gerar insatisfação nos clientes que forem captados nos eventos. Em alguns casos, uma saída estratégica é ter uma área como a principal, defini-la como o carro chefe, e as demais como secundárias, de forma a garantir a saúde financeira do escritório de advocacia.

Enfim, as oportunidades para captar clientes na advocacia são muitas. As dicas deste texto são um caminho por onde começar. Ao seguir por ele, há que se lembrar que certas técnicas dependem de recursos financeiros para serem postas em prática. Equilibrar a balança do escritório de advocacia é importante para garantir o sucesso dos investimentos realizados desde a abertura do escritório. Há um manual que pode ajudar. É o Manual de gestão financeira do escritório de advocacia. Outra importante ferramenta para escritórios e advogados que esperam crescer profissionalmente defendendo as causas que amam. 🙂