Quando comentam com você sobre advocacia virtual, qual é a primeira sensação que isso desperta?

É possível que seja a de insegurança. E que um pensamento venha à cabeça: significa que agora existem advogados virtuais advogando? Calma que não é por aí!

A advocacia virtual é mais um termo para discernir os advogados que já possuem uma presença digital. Estar na internet, atualmente, é tão indispensável quanto era ter o próprio escritório de advocacia estruturado, há tempos atrás. E é até mais fácil. Bata seguir alguns passos.

O que é preciso para por em prática a advocacia virtual

1- Redes sociais

Há um alto número de pessoas interagindo nas redes sociais. O Facebook ainda é a mais usada no Brasil. As outras são o Instagram, o Twitter e o LinkedIn. Esta última é muito utilizada para networking e pode parecer que ter uma conta nela é o suficiente. Não é. Porque ainda existem muitas pessoas que estão no Facebook, por exemplo, mas não no LinkedIn, e por aí vai. Então, para ter uma forte presença digital, em tempos de pessoas cada vez mais conectadas, é importante que o seu escritório de advocacia possua perfis ou páginas em todas elas. Assim, por mais que haja o risco de se comunicar com a mesma pessoa nas diversas redes sociais, eleva-se a chance de poder interagir com um número maior de clientes ou potenciais clientes.

2- Cadastro no Google Negócios

Ter o escritório de advocacia cadastrado no Google Negócios é a forma mais prática e fácil de fazer com que uma pessoa que precise de assessoria jurídica o encontre. É porque, hoje, quando uma pessoa precisa de um serviço, quando não conhece ninguém para realizá-lo ou apenas quer conhecer mais sobre uma recomendação, sua primeira ação é pesquisar na internet. Mais especificamente no Google. É por isso que o concorrente da Microsoft criou o Google Meu Negócio, uma ferramenta online e gratuita que auxilia as empresas a ter suas informações expostas na internet.

3- Site

O site é o endereço online do escritório de advocacia. A exemplo do endereço físico, é a “sala” ou “prédio” na internet. Também é a “vitrine” online. Especialmente para advogados, que lidam com regras restritas de publicidade impostas pelo Código de Ética, o site é uma ferramenta que permite ser visto, lembrado e expor informações relevantes que espera-se que as pessoas detenham, sem infringir qualquer normativa acerca da publicidade.

É importante que o site possua o básico: uma descrição sobre o escritório de advocacia, um relato sobre a área de atuação, outras formas de entrar em contato (e-mail e telefone) e o endereço físico. Os advogados mais dispostos a escrever, podem incluir no site um blog ou área para consulta, em que publicam informações jurídicas relevantes para conhecimento do público.

3 razões para investir na advocacia virtual

1- Interação com o cliente

De que forma os escritórios de advocacia interagem com seus clientes? Telefone? E-mail? Whatasapp? Isso será o suficiente? Possivelmente, não. Pessoas conectadas gostam de ver que seus prestadores de serviços estão conectados. Além disso, gostam de saber que podem entrar em contato com eles por qualquer meio que serão logo atendidos em suas demandas. A internet desenvolveu nas pessoas um certo imediatismo e quem não presta um suporte dentro das expectativas, tende a arcar com perdas. Esse é um risco, porém, com grande possibilidade de ser logo suprimido se o escritório souber interagir com o cliente. Por exemplo, mesmo que não tenha a resposta para lhe dar instantaneamente, diga-lhe que a solicitação está sendo verificada e assim que possível uma resposta será enviada. Pronto! Com essa atitude simples, a pessoa já sabe que seu advogado está cuidando do que é importante para ela.

2- Atrai visitantes

O uso da advocacia virtual pode ser um recurso muito vantajoso ao passo que permite que mais pessoas conheçam o escritório de advocacia em um menor tempo. Isso ajuda o advogado a otimizar seus recursos e tempo também.

Imagine se ele tivesse de atender pessoalmente o número de pessoas que visitam todos os dias o site, por exemplo. Talvez não sobrassem horas no dia para outras atividades. Sem contar o tempo que levaria para atingir esse público de outras maneiras, ainda mais considerando as restrições para publicidade que constam no Código de Ética.

3- Credibilidade

É provável que você conheça a expressão: “a primeira impressão é a que fica”. De fato, as pessoas são assim. São conquistadas, primeiro, pelo o que veem. Portanto, uma rede social organizada e atualizada, uma presença online estruturada e um site com informações sólidas e relevantes para o público que o visita tem um poder maior de transmitir credibilidade. Faça um teste e veja o retorno que você vai ter depois de alguns dias dedicando-se a estruturar sua advocacia virtual.

Entenda como o escritório digital funciona e saiba porque você não pode deixar de arrumar o seu!